fbpx

Sobre o Instituto de Medicina Integral ARZT

Saiba mais sobre o Instituto e seu fundador

Dr. Eduardo Almeida, PhD

Eduardo Almeida, 1953 Graduado em 1977 pela Faculdade de Medicina da Universidade Federal Fluminense.

 

Residência Médica em Clínica Médica no Hospital Universitário Antônio Pedro – Niterói – RJ (1979) Professor Associado I do Instituto Saúde da Comunidade da Universidade Federal Fluminense Mestre em Medicina Social pelo Instituto de Medicina Social da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (1988) Doutor (PhD) em Saúde Coletiva pelo Instituto de Medicina Social da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (1996) Criou e dirigiu por 15 anos a Unidade Docente do Posto de Saúde do Caramujo, voltada para a formação em medicina geral e comunitária, onde implantou a prática de várias medicinas alternativas.

Nos dez primeiros anos de prática, manteve intensa atividade clínica nos vários setores da medicina hospitalar.

Em seguida, concentrou suas atividades na medicina extra-hospitalar.

Fundador e diretor do Núcleo de Estudos e Pesquisa em Medicinas Alternativas da UFF Nos últimos anos tem mantido estreito relacionamento com colegas que praticam a medicina biológica alemã na Alemanha e nos EUA Dedica-se à pesquisa das Racionalidades Médicas, da História da Terapêutica, das Práticas Medicoterapêuticas, em especial das medicinas empíricas.

Autor do livro: As Razões da Terapêutica – Racionalismo e Empirismo na Medicina. EDUFF, 2002.
Autor do livro: O Elo Perdido da Medicina – O afastamento da noção de vida e natureza. Imago, 2007.
Editor e revisor técnico do livro: Medicina que Cura Medicina que Adoece, Eberhardt, HG, 2009

História

Eduardo Almeida começou como médico alopata clássico. Especializou em clínica médica hospitalar. Desde acadêmico, começou a trabalhar em hospitais, participando de cirurgias, como auxiliar e, mais tarde, em clínica de enfermaria.

 

 

Com formação básica de clínico, trabalhou com medicina de urgência, medicina intensiva, clínica de enfermaria e, não satisfeito com a medicina de hospital, entendeu que deveria atuar na prevenção do adoecimento, ainda nos moldes da medicina oficial.

Iniciou sua experiência em medicina de ambulatório e, anos depois, montou, como professor da Universidade Federal Fluminense, uma unidade de saúde docente numa comunidade em Niterói, Rio de Janeiro, orientada para a formação do clínico geral.

 

Nessa nova experiência, teve que reciclar todo seu conhecimento de clínica, e passou a defender a necessidade de se construir uma medicina para a realidade do atendimento extra-hospitalar. Escreveu sua tese de mestrado sobre esse tema.

 

Além de adaptar a medicina clínica para o atendimento extra-hospitalar, constatou a importância de incorporar outras medicinas e sistemas médicos. Com o amadurecimento da experiência, a unidade de saúde foi capaz de atender a sua demanda, onde 75% a 80% dos pacientes saiam com os medicamentos naturais produzidos pela própria unidade.

 

Ficou um tempo sob a influência do discurso complementar na medicina, que diz haver uma medicina dominante, e as demais medicinas deveriam vir complementá-la.

Com o avanço da sua experiência, o estudo dos paradigmas médicos, e o contato com a medicina biológica alemã, conseguiu superar o discurso da complementariedade, e se posicionar a respeito do que considera ser a crise cognitiva da medicina oficial. Se a medicina oficial vive uma crise cognitiva, não temos que ficar na complementariedade, temos que superar o bloqueio, e só se supera um bloqueio cognitivo com outro nível de pensamento, ou outro sistema de pensamento. Ou dito de outra forma, devemos superar o paradigma quimicomecanicista da medicna oficial.

 

Incorporar o paradigma energético informacional e a noção de sistemas vivos complexos, é o desafio para uma nova medicina, que coloca a vida no centro, uma medicina vitalista moderna, pois as ciências já produziram vasta informação a respeito do que é a vida. A nova medicina vitalista deve ser uma medicina funcional e integral, que conheça e dê suporte aos grandes processos que mantêm a vida nos seres vivos e no planeta.

 

Cabe ao médico intermediar, e colocar no plano da doutrina médica, a formidável produção das ciências contemporâneas. Para tal, é necessário ter um paradigma capaz de incorporar esses conhecimentos. Calcula-se que a medicina oficial não incorpora nem 10% da produção científica à sua doutrina. Esses conhecimentos servem apenas para produzir máquinas médicas, mas não proporcionam qualquer mudança na doutrina médica oficial.

 

O paradigma energéticoinformacional é totalmente permeável à produção das ciências complexas, da física quântica à biologia complexa. Isso permite abrir os horizontes da medicina, e oferecer novas teorias para a compreensão do adoecimento humano. Isso que é ciência na medicina.

 

O arcabouço da medicina funcional e integral foi construido pela escola da medicina biológica alemã, que produziu um vasto conhecimento sobre os processos biológicos do organismo humano. Esse pensamento não teve forças para resistir a invasão química, e sofreu enorme revés com a segunda guerra mundial. Uma guerra sabidamente promovida pelo cartel químico alemão.

 

A medicina biológica alemã é o patrimônio cultural que devemos recorrer para construir uma doutrina médica capaz de superar o reducionismo e a simplificação da medicina quimicomecanicista. Um movimento de resgate histórico interrompido pela violência e não pelas idéias.

 

A medicina de novo paradigma é também permeável às medicinas energéticas primitivas como a medicina tradicional chinesa, a medicina ayurveda,a medicina hipocrática, bem como a outros sistemas médicos e suas práticas terapêuticas.

 

A articulação dessa ampla gama de conhecimentos foi o desafio assumido pelo Dr Eduardo Almeida. É essa experiência que ele pretende dividir nos seus cursos. Seu olhar médico plural na compreensão do adoecimento, e os diversos recursos terapêuticos disponíveis.

Mais de 35 anos de prática e estudos avançados no Brasil e Alemanha, começam a ser disponibilizados no Instituto de Medicina Integral, através de cursos online para profissionais de saúde, médicos e nutricionistas, trazendo ao Brasil uma nova forma de entender saúde, vida e medicina.

O que é o Instituto de Medicina Integral ARZT?

O Instituto de Medicina Integral ARZT é fruto de mais de 35 anos de prática, ensino e pesquisas na área da medicina não intervencionista. Criado pelo médico Eduardo Almeida, o Instituto têm como objetivo ajudar a consolidar um novo paradigma médico que leve em conta a complexidade do sistema vivo, e superarmos a simplificação e o reducionismo da medicina oficial.
Recuperar a tradição do vitalismo na medicina, a partir da exuberante produção de conhecimento científico sobre a vida, nas últimas décadas, e propor práticas terapêuticas de suporte à vida.
A missão do instituto é formar recursos humanos conscientes dos limites do paradigma químicomecanicista da medicina oficial, e ser capaz de construir uma doutrina médica funcional e integral, que tenha a vida no centro.

O que é o novo paradigma da Medicina?

Uma medicina que integra  as várias contribuições médicas e que valoriza a força curativa e as dinâmicas do próprio organismo.
Entre esses conhecimentos estão a Medicina Chinesa, Homotoxicologia, Neuralterapia, Ayurveda, Medicina Bioxidativa, Medicina da RegulaçãoHomeopatiaMedicina Nutricional e muitas outras visões médicas.

Medicina Chinesa

Homotoxocologia

Neuralterapia

Ayurveda

Medicina Bioxidativa

Medicina de Regulação

Homeopatia

Medicina Nutricional

Naturopatia

Medicina Funcional e Integral e

Medicina de Suporte à Vida

A medicina funcional e integral que sigo está construida a partir da enorme contribuição da medicina biológica alemã.

É uma medicina que integra  as várias contribuições médicas que valorizam a força curativa do organismo, como a homeopatia, medicina chinesa, homotoxicologia, neuralterapia, ayurveda, medicina bioxidativa, medicina da regulação, medicina nutricional, e muitas outras visões médicas.

É antes de tudo, uma medicina de paradigma biológico não-mecanicista, capaz de absorver os novos avanços dos campos da física moderna e da biologia complexa.

A medicina funcional e integral também pode ser chamada de Medicina de Suporte à Vida, pois tem permeabilidade para incorporar os vários campos de conhecimento dentro do paradigma energeticoinformacional, com foco nos processos que mantêm a vida no sistema vivo (ser humano) e no planeta.

O que os profissionais de saúed estão achando dos cursos do Instituto de Medicina Integral ARZT?

Ter conhecido o Dr. Eduardo Almeida foi um divisor de águas na minha vida profissional. Através dele tive acesso a verdadeira ciência da Nutrição e a uma Medicina que cura. Ter a oportunidade de trabalhar em conjunto com este grande médico para compartilhar o seu conhecimento para todos é um honra. Quem busca uma medicina verdadeiramente preventiva, desenvolvida com base na física quântica e através de terapêuticas não intervencionistas encontrará no Dr. Eduardo um grande Mestre no assunto.

Dr. Turi Souza - Nutricionista

Eduardo Almeida tem a arte de fazer medicina de uma forma Integral. Pioneiro, ousado e com um conhecimento enorme da Medicina Biológica, tem trazido através de seus livros e aulas, a possibiludade de medicos entrarem num novo conceito de saude e doença. Suas aulas produzem um salto de compreensão e estimulo à arte de exercer a medicina. Gratidão!

Dra. Sandra Monnerat - Médica Ginecologista

Tive a oportunidade de conhecer o Dr. Eduardo primeiro como paciente e depois como aluno. Costumo dizer que o Dr. Eduardo me transformou num ser humano menos ignorante.
Sua visão sobre a saúde é uma fonte inesgotável de conhecimento ,tenho aprendido uma nova forma de entender a fisiologia, as reações bioquímicas, a dinâmica dos corpos vivos e a costante capacidade adaptativa do organismo. Como profissional de saude me vejo na obrigação de passar adiante para meus clientes todo esse precioso conhecimento .

Dr. Alberto Bastos - Nutricionista

Dúvidas Frequentes

O que aprenderei nos cursos do Instituto de Medicina Integral ARZT?
  • A compreensão do Paradigma Químicomecanicista da medicina oficial
  • A construção do Paradigma Energéticoinformacional na medicina, capaz de superar os limites cognitivos do mecanicismo
  • A abordagem do corpo como um Sistema Complexo, aberto e não-linear, em busca permanente da Ordem e da Coerência
  • A montagem de uma Doutrina Médica onde a Vida e a Simbiose ocupam o centro, ou seja uma Doutrina Vitalista Moderna
  • A compreensão do Adoecimento Crônico e como Tratá-los
O que aprenderei no curso de Dieta Low Carb e Cetogênica do Instituto de Medicina Integral ARZT?
  • O Objetivo do curso é formar profissionais de saúde com o que há de mais moderno e aprofundado sobre a Dieta Low Carb em benefício da saúde dos seus pacientes.
Em quantas partes se dividem os Cursos?

O Curso de Introdução à Medicina Funcional e Integral se divide em 2 partes, totalizando 22 aulas.

O Curso Avançado será disponibilizado nos próximos meses e terá como pré-requisito o Curso de Introdução à Medicina Funcional e Integral.

O Curso de Dieta Low Carb consiste em mais de 30 aulas aprofundadas sobre a Dieta Low Carb e Cetogênica.

 

O que é a Medicina Funcional e Integral e a Medicina de Suporte à Vida?

A medicina funcional e integral que sigo está construida a partir da enorme contribuição da medicina biológica alemã.

É uma medicina que integra  as várias contribuições médicas que valorizam a força curativa do organismo, como a homeopatia, medicina chinesa, homotoxicologia, neuralterapia, ayurveda, medicina bioxidativa, medicina da regulação, medicina nutricional, e muitas outras visões médicas.

É antes de tudo, uma medicina de paradigma biológico não-mecanicista, capaz de absorver os novos avanços dos campos da física moderna e da biologia complexa.

A medicina funcional e integral também pode ser chamada de Medicina de Suporte à Vida, pois tem permeabilidade para incorporar os vários campos de conhecimento dentro do paradigma energeticoinformacional, com foco nos processos que mantêm a vida no sistema vivo (ser humano) e no planeta.

Deseja se aprofundar no assunto?

Comece agora o Curso de  Introdução à Medicina Funcional e Integral